Caderno Vida Zh –

Médicos aconselham a beber líquidos para prevenir cálculos renais, mas não quando o problema já existe.

Líquido, muito líquido. Essa é a orientação mais comum para casos de cálculo renal. Basta surgir aquela dorzinha que o paciente já começa a tomar água, litros e litros dela. Tal procedimento, porém, nem sempre é o mais correto. Há casos em que essa é a pior dica que se pode dar a um paciente, garante o ex-presidente da Sociedade Gaúcha de Urologia, José Francisco Lisboa.

O urologista explica que, durante uma crise de dor, quando a pedra se aloja justamente no canal que liga o rim à bexiga, beber água, em vez de ajudar o cálculo a sair, só contribui para que a distensão aumente e, por conseqüência, o incômodo também. Apesar disso, ele ressalta que a ingestão de bebidas ainda é a forma mais indicada para prevenir o surgimento da doença, desde que não seja ministrada em momentos críticos.

Outra medida sem utilidade, segundo o médico, é fazer com que o doente fique pulando para tentar expelir o cálculo.

– O melhor é ele ficar quietinho, se medicar com um analgésico e evitar beber qualquer outra coisa até a crise passar – ensina.

Mas as dúvidas a respeito dos líquidos não terminam aí. Geralmente, imagina-se que a única solução para evitar a formação de pedras nos rins é a água. Na verdade, qualquer tipo de bebida serve, desde que haja variação.

– É bom ter cuidado com o excesso nos refrigerantes, porque eles têm substâncias que podem causar a formação de cristais – destaca o clínico geral Maurício Pereira Torres.
Em relação aos diuréticos, como o chimarrão e a cerveja, o nefrologista Agusto Marques Ramos afirma que esse tipo de bebida age de duas formas: primeiro super-hidrata o corpo e, logo depois, faz com que o líquido seja eliminado totalmente, causando uma desidratação e a concentração de substâncias na urina.

– Se a cada copo de cerveja tomarmos dois de água, não haverá desidratação, ressaca no dia seguinte, nem predisposição ao cálculo – sugere.

No que diz respeito ao chamado “chá de quebra-pedra”, conhecido como um antigo remédio para curar problemas renais, tanto Torres quanto Lisboa descartam qualquer valor medicinal. O nefrologista Claus Dieter Dummer, no entanto, garante a existência de pesquisas que comprovam que a planta realmente funciona como um inibidor do aparecimento de pedras.

– Esse chá é uma espécie de antiagregador de cálculos e não pode ser considerado como simples crendice popular, porque de fato funciona – justifica.

***

BOX:

Entenda melhor

O RIM

– É o sistema de filtragem do corpo. Preserva as substâncias importantes para o funcionamento do organismo e elimina o que é desnecessário.

A FORMAÇÃO DO CÁLCULO RENAL

– Quando substâncias se concentram em demasia na urina ou nos rins, elas podem se solidificar e virar pequenos cristais, que, com o tempo, se transformam em pedras.

CAUSAS DA DOENÇA

– Pouca ingestão de líquidos (a falta de água faz com que as substâncias da urina não sejam dissolvidas)
– Muito cálcio no organismo
– Excesso de ácido úrico (presente em carnes vermelhas, frutos do mar, bebidas alcoólicas, chocolates e refrigerantes)
– Infecção urinária (a urina deixa de ser ácida e permite a formação de cristais)
– Casos anteriores na família
– Distúrbios no metabolismo (alterações no funcionamento dos rins)

SINTOMAS

– Forte dor lombar podendo chegar à região da virilha e aos órgãos genitais
– Náuseas e vômitos
– Sangue na urina ou infecção urinária
– Pode não haver nenhum sintoma

TRATAMENTO

– Pedras pequenas geralmente são eliminadas pela urina. Cálculos maiores podem ser retirados por aplicação de ondas de choque, endoscopia ou cirurgia percutânea, na qual o cálculo é quebrado dentro do próprio rim através de um orifício na pele.

NÚMEROS

60% dos cálculos renais são causados por excesso de cálcio no organismo
20% ocorrem devido a uma grande quantidade de ácido úrico no corpo
15% vêm com infecções urinárias
5% acontecem por fatores variados

DICAS

– Não existe uma quantidade certa de líquido a ser ingerida por dia. O ideal é que se produza diariamente pelo menos dois litros de urina
– Não se atenha a um tipo de líquido apenas: faça um rodízio. Vale tudo, desde que exista variação
– Observe a cor da urina. Se for muito amarela, você está ingerindo pouco líquido
– Cuidado com o queijo em excesso: ele é o alimento com o maior índice de cálcio

COMO DIFERENCIAR:
DOR NAS COSTAS X DOR DO CÁLCULO RENAL

– A dor causada por cálculos é repentina e deixa a pessoa inquieta, sempre à procura de uma posição mais cômoda. É causada pela dificuldade da passagem da urina e não tem relação com o tamanho do cálculo. A dor na coluna obriga a pessoa a ficar parada, por causa da dor provocada por certas posições ou movimentos.

TESTE SEU FATOR DE RISCO

– Urina menos de dois litros por dia?
– Já teve um cálculo renal?
– Alguém na sua família teve a doença?
– Consome muito refrigerante, chocolate, chá deixado em infusão por longos períodos ou amendoim?
– Ingere muito leite ou laticínios?
– Come grande quantidade de carne ou fígado?

Resultado: Quanto maior for o número de respostas positivas, maior será o risco de ter cálculo renal.