Curso de Formação em Terapia Relacional Sistêmica

Psicóloga Solange Maria Rosset

Nome do Livro: Bioenergética
Autor do Livro: Alexander Lowen
Editora, ano de publicação: Summus editorial – 1982

Relação dos capítulos

Cap. 1 – DE REICH À BIOENERGÉTICA

Cap. 2 – O CONCEITO DE ENERGIA

Cap. 3 – A LINGUAGEM DO CORPO

Cap. 4 – TERAPIA BIOENERGÉTICA

Cap. 5 – O PRAZER : UMA ORIENTAÇÃO PRIMÁRIA

Cap. 6 – REALIDADE : UMA DIREÇÃO SECUNDÁRIA

Cap. 7 – ANSIEDADE DE CAIR

Cap. 8 – TENSÃO E SEXO

Cap. 9 – AUTO-EXPRESSIVIDADE E SOBREVIVÊNCIA

Cap.10 – CONSCIÊNCIA : UNIDADE E DUALIDADE

 

Apanhado resumido sobre cada capítulo

Cap. 1 – De Reich à Bioenergética

Alexander Lowen, o autor do livro “Bioenergética”, e conseqüentemente o criador de tal terapia e conhecimento , deve muito do seu trabalho à Wilhelm Reich.

Lowen, quando começou seus estudos com Reich em l940, teve com ele um longo relacionamento, de aluno/professor e de paciente/analista. Isto fez com que os estudos do corpo e da mente , através dos ensinamentos pioneiros de Reich, levassem Lowen a definir o que é a “Bioenergética”.

Mas até definir a bioenergética como ciência, como estudo do físico e do caráter e saber aplicá-la , muitos anos e acontecimentos se sucederam.

Lowen foi estudar medicina na Suíça. De 1947 a l951, freqüentou a escola de medicina da Universidade de Genebra.De volta aos EE. UU. , Lowen volta a se relacionar com Reich, que por sua vez havia revolucionado a psicoterapia, pois havia experimentado o uso do toque físico em seus pacientes, o que era terminantemente proibido na psicanálise Freudiana. Estes avanços, aliados à problemas que Reich teve com a lei norte americana em função de um acumulador de energia que ele começou a fabricar e a vender – levaram-no à prisão, onde morreu em 1957.

Mas Lowen buscou desenvolver mais e mais o que aprendera com Reich, e nesse afã se associou aos Drs. John C. Pierrakos e um ano mais tarde ao Dr. William B. Walling. Dessa associação surgiu o Instituto de Análises Bioenergéticas.

Era o ano de l956 e as bases da Bioenergética como ciência, estavam definitivamente lançadas.

Após anos de experiências realizadas com inúmeros pacientes, Lowen nos dá, então, o conceito definitivo dd Bioenergética; o que é, e qual é o seu objetivo. “A Bioenergética é uma técnica terapêutica que ajuda o individuo a reencontrar-se com seu corpo , e a tirar o mais alto grau de proveito possível da vida que há nele.” Como objetivo, Lowen se alonga um pouco mais: “O objetivo da bioenergética é ajudar o individuo a retomar sua natureza primária que se constitui na sua condição de ser livre, seu estado de ser gracioso e sua qualidade de ser belo.” A liberdade a graça e a beleza são atributos naturais de qualquer organismo animal. A liberdade é a ausência de qualquer restrição ao fluxo de sentimentos e sensações , a graça é a expressão desse fluir em movimentos, enquanto a beleza é a manifestação da harmonia interna que tal fluir provoca. Estes fatores denotam um corpo saudável e, portanto, uma mente também saudável. Os processos energéticos do corpo, determinam o que acontece na mente, da mesma forma que determinam o que acontece no corpo. Assim, a Bioenergética é uma aventura de auto-conhecimento e descoberta.

Cap. 2 – O Conceito de Energia

Conforme nos ensina Alexander Lowen nesta obra Bioenergética, esta é o estudo da personalidade humana em termos dos processos energéticos do corpo. Como na bioquímica , o termo BIOENERGÉTICA define uma área de pesquisa que lida com os processos energéticos nos níveis molecular e sub-molecular. Conforme ressaltou Albert Szent-Gyorgyi – “é preciso energia para movimentar a máquina vital”.

Na realidade , a energia está envolvida no movimento de todas as coisas, vivas ou inertes. Pontos de vista diferentes de vários cientistas, divergem quanto à natureza da energia . Mas, sendo ela elétrica, cósmica , química ou de qualquer natureza , não importa. O importante é que a energia é vital para que o corpo seja saudável e demonstre toda a personalidade do indivíduo. Lowen aceita a idéia fundamental de que a energia está envolvida em todos os processos da vida , nos movimentos, sentimentos e pensamentos, e que os mesmos chegariam ao fim se a fonte de energia para o organismo se esgotasse.

Muitas pessoas não estão acostumadas em pensar na personalidade em termos de energia, mas a verdade é que ambas não podem existir isoladamente. A quantidade de energia que um individuo possui e como ele a usa irá determinar e refletir em sua personalidade. A relação da energia com a personalidade manifesta-se de forma inequívoca numa pessoa deprimida. Apesar da depressão resultar de complicados fatores físicos e psicológicos , não há duvidas: o individuo deprimido está também energeticamente deprimido. Já no estado de satisfação as atividades rítmicas e involuntárias da vida funcionam num ótimo nível. Conforme constata Lowen , a vida emocional de uma pessoa depende da motilidade de seu corpo, que por sua vez é uma função do fluxo de excitação através dele. Por motilidade entende-se a capacidade do corpo reagir a estímulos. Desde que o corpo é um sistema energético, está em constante interação energética com seu meio ambiente. Todos nós somos sensíveis às forças que nos rodeiam, às energias. Mas o resultado não é o mesmo em todos os indivíduos. Uma pessoa que está positivamente carregada é mais resistente às influencias negativas , tornando-se simultaneamente influencia positiva para os outros. O contato com tais indivíduos nos dá prazer e podemos sentir isso intuitivamente.

A Bioenergética se firma na proposição de que cada ser é o seu corpo. Assim, segundo Lowen, se você é o seu corpo, e seu corpo é você , o seu corpo poderá mostrar quem você é. O que um individuo sente também pode ser definido pela expressão de seu corpo. As emoções são eventos corporais; literalmente são movimentos ou impulsos dentro do corpo que geralmente resultam em alguma ação externa. Devemos aprender a reconhecer tanto a identidade quanto as diferenças entre os processos físicos e psíquicos.

No corpo físico há os órgãos que tem capacidade de sentir. Se nós somos seres sensíveis , temos capacidade de sentir e experimentar sensações e sentimentos. Assim, a percepção é uma função da mente, que se reflete no corpo. O corpo vivo tem uma mente um espírito e uma alma. Devemos compreender esse conceito energeticamente, ou bioenergéticamente. Afirma Lowen que a falha da técnica psicanalítica é ignorar o corpo, na tentativa de ajudar o paciente a superar seus conflitos emocionais. Ter consciência do corpo é um dos dogmas da Bioenergética , pois essa é a única maneira de descobrir quem você é , isto é, o que é a sua mente.

Cap. 3 – A linguagem do Corpo.

Neste capítulo Lowen nos dá as diretrizes sobre como a Bioenergética “vê” o corpo.Antes de mais nada, a bioenergética não vê o corpo como uma máquina. Nem mesmo como a mais complexa e bela das máquinas jamais criadas. As máquinas são como extensões do corpo humano, e funcionam segundo os princípios que o governam. Temos exemplos simples , como as pás , que são extensões das mãos, ou mesmo as marretas, que são extensões dos punhos cerrados. Até o computador, que é a extensão do cérebro.

Mas é verdade que podemos comparar certos aspectos do funcionamento do corpo com os de uma máquina. É comum dizer que o coração , por exemplo, é uma bomba. O coração também bombeia, mas faz parte integrante, e contribui sobremaneira para a vida do corpo. A linguagem do corpo reconhece essa diferença e é por este motivo que é tão importante. Os órgãos de uma maneira geral , são os meios de comunicação ou linguagem do corpo. Voz, mãos, faces, braços , ombros enfim , o corpo com sua energia e movimentos se comunica. Esta comunicação é a troca de energia, é a essência da convivência com o mundo e com as outras pessoas. A linguagem do corpo é chamada de comunicação não-verbal. Há uma grande quantidade de informação que é transmitida e pode ser obtida pela expressão corporal. É comum se usar a escrita manual para determinar traços da personalidade do individuo. Há pessoas que se dizem capazes de ler o caráter dos outros, a partir do modo como andam. Se cada aspecto da expressão corporal revela quem somos, então, sem dúvida, nosso corpo como um todo deve ser ainda mais esclarecedor e completo. Para lermos a linguagem do corpo, é preciso estarmos em contato com nosso próprio corpo e sermos sensíveis às suas expressões.

Cap. 4 – Terapia Bioenergética

A bioenergética não está apenas voltada para a terapia, da mesma forma que a psicanálise não lida exclusivamente com o tratamento analítico de distúrbios emocionais. Ambas as disciplinas interessam-se pelo desenvolvimento da personalidade humana. Não obstante, a terapia e a análise são as pedras angulares sobre as quais se apóia esta compreensão, na medida em que se trabalha com todos os problemas individuais da pessoa, podendo-se atingir algum esclarecimento a respeito do desenvolvimento de sua personalidade.Por isso, a bioenergética não pode ser dissociada da terapia bioenergética. Segundo afirma Lowen, a terapia é uma viagem de auto-descoberta. Esta viagem de auto-descoberta não acaba nunca. Não há a terra prometida onde finalmente podemos chegar e ficar. Mesmo quando a terapia é bem sucedida, não ficamos livres de todas as tensões musculares ,dadas as condições que a vida moderna nos impõe constantemente e que nos impelem para novas tensões. Com o passar do tempo, o corpo vai desenvolvendo tolerância para viver uma vida mais cheia de energia, com sentimentos e sensações mais poderosas e com uma maior e mais plena capacidade de auto-expressão.

Alexander Lowen, quando enfatiza a essência da terapia, afirma: “Não é necessário que eu acentue o fato de que trabalhar com as tensões musculares exclusivamente sem as análises das defesas psíquicas e sem a evocação dos sentimentos reprimidos, não compõem um processo terapêutico. Trabalhos corporais como massagem e ioga têm um valor positivo mas não são especialmente terapêuticos em si. No entanto, a meu ver, é tão importante para que cada pessoa se mantenha em contato com seu corpo e reduza seu nível de tensão, que encorajo todos os meus pacientes a praticarem os exercícios bioenergéticos individualmente ou em grupo, e também a submeterem-se a massagens.”

Cap. 5 – O Prazer: Uma orientação primária.

Neste capítulo de seu livro, Lowen faz uma afirmativa para começar a nos explicar o principio do prazer. “A meta essencial da vida é o prazer e nunca a dor.” Esta é uma orientação biológica porque, a nível corporal, o prazer proporciona o bem estar do organismo e da própria vida. Daí em diante discorre sobre a ansiedade, gerada por situações em que há promessa de prazer e ao mesmo tempo ameaça de dor. O padrão de sentir-se submetido a um dilema formado por sinais contraditórios é a causa da ansiedade latente em todos os distúrbios neuróticos e psicóticos da personalidade.

Cedo ou tarde, as defesas do organismo são ativadas para abafar esta ansiedade. Segundo a Bioenergética, os diversos tipos de defesa são reunidos sob o título de “estrutura de caráter”: Caráter é definido como um padrão fixo de comportamento, como o modo típico de uma pessoa conduzir sua busca pelo prazer. O caráter estrutura-se a nível corporal na forma de tensões musculares em geral inconscientes e crônicas, as quais bloqueiam ou limitam os impulsos em seu trajeto até o objeto ou fonte. O caráter é também uma atitude psíquica, que se escora num sistema de negações, de racionalizações e de projeções. A identidade funcional do caráter psíquico com a estrutura corporal ou atitude muscular é a chave da compreensão da personalidade, já que nos permite ler o caráter através do corpo. Pode-se definir o sentimento de prazer, conseqüentemente, como a percepção de um movimento expansivo dentro do corpo. Abertura, busca de algo, estabelecimento de um contato. Fechamento, retraimento, contenção ou retenção não são experiências de prazer, podendo inclusive chegar a provocar dor ou ansiedade.

O objetivo fundamental do estudo é, ao considerar um corpo, determinar o grau de expansão ou de realização a uma resposta de prazer ao meio, presente naquele organismo. A resposta de prazer é também uma resposta quente e amorosa, uma vez que o coração estará então em comunicação direta com o mundo exterior. O corpo limitado por tensões musculares que bloqueiam os canais de comunicação do coração e que limitam o fluxo de energia até a periferia do corpo, sofre de várias maneiras: A pessoa sofre com a frustração e com a insatisfação de sua vida, sente ansiedade, depressão, sente-se retraída e alienada, podendo desenvolver alguns distúrbios somáticos.

Alexander Lowen nos dá uma aula sobre a hierarquia dos tipos de caráter em relação ao prazer e dor.

A estrutura de caráter define o modo pelo qual a pessoa conduz suas necessidades de amar, sua busca de intimidade e proximidade, bem como sua busca de prazer.

Discorrendo sobre o tema, Lowen classifica os tipos de caráter, destacando seus conflitos:

Esquizóide: existência-necessidades.

Oral: necessidades-independência.

Psicopático: independência-intimidade.

Masoquista: proximidade-liberdade.

Rígido: liberdade-ceder ao amor.

Cap. 6 – Realidade: uma direção secundária.

Segundo o autor, a direção da pessoa dentro da realidade se desenvolve aos poucos, conforme for chegando mais perto da maturidade, ao passo que a orientação para o prazer está presente desde o inicio da vida. Quanto mais orientado dentro da realidade estiver o individuo, mais eficientemente suas ações satisfarão suas necessidades de prazer.

Mas o que é a realidade? Talvez não haja uma resposta exata para esta pergunta, nos diz o autor. Mas nos dá algumas verdades que possam ser fundadas na realidade, tais como a importância de uma boa respiração, o valor de se estar liberto de tensões musculares crônicas, a necessidade de identificar-se com o próprio corpo, o potencial criativo de prazer e assim por diante. Já o contrário da realidade, as ilusões se manifestam nos indivíduos de personalidade esquizóide. A condição de desespero do esquizóide leva-o a criar ilusões que sustentam seu espírito ativo na luta pela sobrevivência. Numa situação em que a pessoa se sente incapaz de mudar ou escapar de uma realidade ameaçadora, o recurso das ilusões impede que esta se deixe levar por um desespero total. O individuo de caráter esquizóide, sente-se rejeitado como ser humano. A resposta dada a tal rejeição é a ilusão de sentir-se superior. Já o caráter oral, com o trauma de ter perdido o direito de ter necessidades e de satisfazer o estado desequilibrado de seu organismo, desenvolve a ilusão compensatória de que está cheia de vigor e repleta de energia e sentimentos, que pode esbanjar tudo isto. O caráter psicopático tem uma ilusão a respeito do poder, acreditando tê-lo em segredo e que é todo-poderoso. Quanto ao individuo de caráter masoquista, seu sentimento é de inferioridade. Ele tem a ilusão da vergonha e da humilhação. Mas, no fundo do seu caráter sente-se superior em relação aos outros. Já os de caráter rígido, assim se tornaram em decorrência da rejeição apresentada por um dos pais ao amor demonstrado quando crianças. Eles sentiam-se traídos e com o coração partido.

Lowen, logo em seguida dos temas realidade e ilusão, fala sobre a obsessão. Diz-se que alguém está obcecado, quando se vê preso a um conflito emocional que o imobiliza e impede toda a ação eficiente no sentido de transformar a situação. Toda a obsessão, mesmo consciente ou inconsciente, limita a liberdade da pessoa em seu movimento pelos diversos setores da vida, não apenas na área de conflito. Normalmente, não se leva em consideração que toda a ilusão deixa a pessoa obcecada. Ela se prende nas malhas de um conflito não resolvido entre as demandas da realidade, por um lado, e as alternativas de realizar a ilusão, por outro lado. Mas ela não deixa de lado sua ilusão, em razão de que esta atitude seria um golpe para seu ego. Na bioenergética, o termo “grounding” significa fazer a pessoa entrar em contato com o chão. Estar em contato com o chão é o contrário de ter uma obsessão, a estar no ar.

Cap. 7 – Ansiedade de cair.

Conforme nos relata Lowen, a ansiedade de cair, está geralmente vinculada ao medo de alturas. A maioria das pessoas sente estas emoções quando estão à beira de um abismo. É patológico. Como também há pessoas que são isentas destas sensações de tontura, vertigens e mal estar. O medo de cair é um estágio intermediário entre ficar em suspenso e ter os pés firmes no chão. Neste segundo estágio, desaparece o medo de cair. No primeiro, o medo de cair encontra-se oculto por uma ilusão. Segundo estudos realizados por Lowen, sobre as diversas estruturas de caráter, ele verificou que cada tipo de caráter relacionava-se a uma certa modalidade da ansiedade de cair. A estrutura de caráter esquizóide representava um “manter junto” determinado pelo medo de que a soltura significasse “fragmentação.” Se o termo “fragmentar”for entendido literalmente, implica que, a nível de uma estrutura de caráter esquizóide, o ato de cair leva à fragmentação ou à extinção do individuo. Assim como para o individuo de caráter psicopático, o medo de cair é o medo do fracasso. Já para o masoquista, cair significa que a parte de baixo (nádegas) se decompõe, o que poderia ser para ele o fim de tudo. Para o individuo de caráter rígido, cair significa perder o orgulho. Neste capítulo, mais adiante, Alexander Lowen nos narra suas experiências com seus pacientes, no exercício de cair. Ele constatou que seus pacientes reagiam diante do ato de cair com frases como … “não vou cair” ou … “não vou fracassar” ou então … “mas eu não quero fracassar. Não precisava cair. Eu poderia ter ficado em pé para sempre”.

Pode ser que o ser humano seja o único animal que experimenta a ansiedade do modo de cair. Mas todos os animais sentem medo quando realmente caem.Mas a ansiedade de cair, pode ser entendida como história, ou seja, faz parte da evolução do homem, desde que ele desceu das árvores. O humano já tem o instinto de se segurar, de se agarrar, para não cair desde que é recém nascido.

Lowen cita Reich neste capítulo, pois o mesmo fez experiências com bebês e verificou que os mesmos demonstravam ansiedade e medo de cair, somente se acalmando quando seguros no colo da mãe. Além disso Reich observou que uma criança com ansiedade de cair respira mal, tencionado o diafragma, produzindo nesta região, “um desconforto emocional bioenergético.”

Segundo nos mostra Lowen, a ansiedade de cair produz não só o medo de altura, como também o medo de qualquer situação que envolva no corpo a sensação de cair.

Cap. 8 – Tensão e Sexo.

Segundo o autor, a descarga sexual é o mecanismo que produz a descarga das tensões. Daí que toda discussão sobre tensão, deve passar por atenção e análise ao orgasmo sexual. A tensão resulta da imposição de uma força ou pressão sobre um organismo, que se contrapõe à própria força pela imobilização de sua energia. Existem inúmeros motivos para termos tensões. Incontáveis motivos que nos pressionam e podem nos deixar tensos. Há também auto-imposições, que tem os mesmos resultados de pressão e tensão como se fossem agentes externos. Mas os nossos organismos podem reagir às pressões e tensões e combate-las. Também causas físicas provocam tensão, como a gravidade, por exemplo. Esta tensão pode ser entendida como uma força que empurra a pessoa de cima para baixo, ou que simplesmente puxa a pessoa para baixo. A existência de tensões corporais limita a energia que seria usada para enfrentar as pressões da vida diária. Reduzindo as tensões musculares através da terapia bioenergética, a pessoa descobre que é mais fácil enfrentar as tensões de sua vida pessoal. Além dos fatores externos que geram tensão, há as dores que sentimos, que nos pressionam, doem e geram cada vez mais medo da dor, fazendo com que sintamos mais e mais pressão e dor. Mas, uma das formas mais eficazes de reduzir as tensões do corpo, é a liberação da energia sexual.No sexo, a excitação excessiva torna-se centralizada no aparelho genital e é descarregada no momento do clímax. A descarga sexual satisfatória deixa a pessoa sentindo-se calma, relaxada, às vezes sonolenta. A experiência em si mesma é extremamente agradável e satisfatória. Buscar manter uma vida sexual saudável e constante, certamente manterá o corpo livre das pressões e tensões, o que resultará numa vida mais plena, mais feliz.

Cap. 9 – Auto expressividade e sobrevivência.

Podem ser descritas como qualidade dos seres vivos a auto-preservação, a auto-expressividade e as atitudes livres, naturais e espontâneas do corpo. Toda a atividade do corpo contribui para sua auto-expressão, desde as mais simples, como andar, comer ou mesmo dançar. A auto-expressão é produzida pelo andar de uma pessoa; o modo de andar define a estrutura de caráter de uma pessoa. As ações e movimentos não são as únicas modalidades de auto-expressão. A espontaneidade é a qualidade principal da auto-expressão. Ela é a qualidade principal da auto-expressividade.

A bioenergética focaliza três áreas principais de auto-expressividade: movimento, voz e olhos. Geralmente as pessoas se expressam usando estes três canais de comunicação ao mesmo tempo. Se estão tristes, choram, soluçam e se movem convulsivamente. Bloquear um destes canais diminui a expressão e a emoção que se pode demonstrar. Ainda sobre a auto-expressividade, Lowen traça paralelos entre o som e a personalidade do individuo. Segundo este raciocínio, o som é determinante sobre as questões psicóticas do individuo. O individuo tenso emite sons diferentes. O detector de mentiras é na verdade um avaliador de tensão psicológica, e avalia os tremores fisiológicos dos músculos do corpo, quando estes estão sendo usados. Resumindo, quando a pessoa está tensa, há distúrbios na produção sonora. Quando há muita tensão e ansiedade, a voz se torna trêmula. Segundo suas assertivas na bioenergética, estudando sempre o corpo e a sua energia, Lowen discorre sobre os olhos. As pessoas expressam sentimentos através do olhar, sem emitir sons. Há olhos de súplica, desejo, cuidado, desconfiança, erotismo e ódio. Os olhos têm dupla função: servem para ver e também para manter contato. Quando os olhos se encontram há a sensação de contato físico entre duas pessoas. Muitas pessoas evitam o contato visual, temendo pelo o que seus olhos podem mostrar. “Os olhos são os espelhos da alma”…porque podem mostrar diretamente os processos de energia do corpo. Quando alguém está carregado de energia, seus olhos brilham. Já deprimidas, quando diminui sua energia, os olhos enfraquecem a sua luminosidade. Quando a pessoa morre, os olhos ficam vidrados. É a ausência total de energia. Há ainda a carga de energia dos olhos em relação à sexualidade da pessoa. E há também a relação entre os tipos de caráter e a forma de olhar das pessoas. Para cada tipo de caráter, há um tipo de olhar. Como a bioenergética trabalha com a estrutura corporal e busca compreende-la dinamicamente, segundo suas forças, assim sendo, a bioenergética está estreitamente relacionada com os problemas de dores e doenças que os olhos apresentam. A terapia bioenergética para o problema visual é tanto geral como específica.Muitas dores de cabeça resultam de tensão e pressão nos olhos.

Cap. 10 – Consciência: unidade e dualidade.

Nos ensina Lowen, que desenvolveu-se um grande interesse pela “expansão da consciência.” Já que a bioenergética contribui para este desenvolvimento e pertence à abordagem humanista, é importante compreender o papel que a consciência desempenha dentro dela, bem como suas técnicas de expansão por meio desta abordagem. Mas a idéia da “expansão da consciência” não é de todo nova. O ser humano busca constantemente esta expansão. Novo é o foco de luz lançado sobre a necessidade desta expansão. Como sabemos muito pouco a respeito da natureza da nossa consciência, podemos cometer erros. As pessoas estão sempre pensando que “mudam para melhor.” A maneira de pensar dos humanos não deve ser nem mística nem mecanicista, mas chamada de “pensamento funcional.” Segundo Reich, a forma do pensamento funcional foi uma grande conquista da mente humana. Este pensamento é muito útil para a compreensão da consciência. A expansão da consciência não tem sentido a menos que se pense nela como o aumento da capacidade que a pessoa tem de estar consciente. A consciência é como um farol que ilumina uma parte do campo para que o possamos ver claramente, mas, ao fazê-lo, deixa o resto do campo ainda mais escuro. Assim sendo, a pessoa de visão clara, mais nítida, com audição mais aguda, olfato apurado, paladar refinado, em outras palavras com mais alto grau de sensibilidade perceptiva, tem um grau de funcionamento consciente mais elevado do que aquele individuo cuja sensibilidade é reduzida. A consciência se desenvolve e se manifesta em níveis, nos indivíduos. A consciência dos processos corporais e da percepção das emoções, por exemplo. Muitas emoções dependem de um certo grau de consciência do mundo externo. Pensar consciente e objetivamente faz surgir a consciência do ego. A nível do ego a consciência é de natureza dual, mas não cindida. A cisão acontece quando a consciência transcende a personalidade criando a consciência de si, ou o constrangimento. Neste capítulo o autor cita as palavras e a agudização da consciência, afirmando que as palavras são o grande celeiro das experiências. Servem a esta função em nível cultural nas estórias que são contadas e nos livros que lemos. Uma vez que as palavras são o repositório das experiências, servem ainda para modelar e configurar as experiências futuras. O poder das palavras pode ser combatido apenas com outras palavras. As palavras são a linguagem do ego, como o movimento é a linguagem do corpo. A psicologia do ego, estuda as palavras que a pessoa usa.

Sobre os princípios de caráter, diz Lowen: do ponto de vista da consciência, somente temos condições de perceber as dualidades, a consciência de cabeça ou a consciência corporal, o pensamento ou o sentimento. A unidade só existe a nível do inconsciente ou nos processos corporais que transcendem à percepção. A palavra “caráter” está relacionada a “característica” e implica que uma pessoa se comporta de modo típico ou predizível, seja ela boa ou má. A predizibilidade também significa confiabilidade: você pode confiar numa pessoa que tem um bom caráter como alguém que é virtuoso e também pode confiar que uma pessoa com mau caráter é imoral e sem princípios. O princípio subjacente à bioenergética é a dualidade e a unidade simultânea da personalidade humana. O homem é um organismo vivo, pensador criativo e sensível. Para ser um individuo integrado, deve identificar-se com seu corpo e com suas palavras. Dizemos que o homem é tão bom quanto as palavras que ele pronuncia. Assim sendo, você é o que você fala. Mas a palavra deve vir do seu coração.

Apreciação pessoal sobre o livro

Alexander Lowen, conceituado médico psicanalista, grande pesquisador da alma e do corpo humanos, nos deixa uma grande obra:BIOENERGÉTICA. Não somente no campo didático, a obra nos mostra também todas suas experiências com inúmeros pacientes e consigo mesmo como paciente e aluno que foi de Wilhelm Reich. Lowen tem como intuito colocar ao nosso alcance as novas formas de psicoterapia que vem se desenvolvendo sobre o estudo do corpo, sua energia, para melhor entendermos o “psique” deste mesmo corpo.

Alexander Lowen ousa, em sua trajetória como psicanalista, romper com o trabalho clínico tradicional, que muitas frustrações geram por suas próprias limitações.

Nome do autor da resenha e data: Odete Maria Gomes dos Santos – Junho/2003.

Fonte: http://www.srosset.com.br/resenhas/bioenergetica.html