Corporativismo Médico
31 de agosto de 2004
Câncer de Mama e Gravidez
8 de setembro de 2004

Estarrecido com as estatísticas que demonstram a baixíssima quantidade de leitura dos jovens brasileiros, e conseqüente rasa percepção dos textos lidos, fui levado de volta à minha juventude.
Lembrei-me de meus pais e seus estímulos para a leitura, na minha infância. Lembro de um amigo deles que na minha adolescência me emprestava os livros de Alexandre Dumas, os romances de capa e espada, na França. Dartagnan e os três mosqueteiros. Eram aventuras e mais aventuras. Depois Émile Zola, Sartre e os portugueses; Eça de Queiroz, Fernando Pessoa e outros.
Nelson Rodrigues, colunista assíduo dos jornais da época, abriu as portas aos brasileiros.
A leitura sempre me permitiu viagens deliciosas, pelo universo externo e interno. Ler, assume a mágica possibilidade de transportar-nos instantaneamente. Virtualmente somos levados a estados d`alma que nos arrebatam e envolvem muitas vezes, questionando nossas vidas, ampliando-as. Dando-lhes significado. Crescendo-nos e permitindo-nos ampliar nossos sonhos.
Na semana da leitura acende em mim o desejo de que as pessoas possam ter mais acesso às bibliotecas e que aumente o número de leitores.
Se cada estudante lesse um livro por mês significaria 12 livros por ano. 120 livros em 10 anos por aluno.
Pensei em Recife, cidade de 3 milhões de pessoas. Se um milhão tivesse possibilidade de ler um livro por mês, seriam 12 milhões de livros num ano. Multiplicando pelo Brasil todo….
Que Sonho…

Jayme Panerai

Psicólogo e diretor do Libertas Comunidade
Coluna semanal do JC OnLine

Libertas
Libertas
A Libertas desenvolve atividades na área educacional, na área organizacional, na área clínica e na área social. Saiba mais navegando pelo menu Início >> Libertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *