Comportamento
59

O que é a dispersão da atenção?

Luiz Schettini Filho – Psicólogo –

De um modo geral, a dispersão acentuada da atenção vem associada a um quadro de hiperatividade, embora encontremos pessoas com dificuldade de concentração sem que apresentem as características básicas de um indivíduo hiperativo.

O que se tem estudado sobre esta questão nos leva a uma associação quase necessária do déficit de atenção à hiperatividade. Daí estabelecer-se a designação de Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) para as pessoas que têm dificuldade de concentração da atenção.

Na realidade, trata-se de um distúrbio de interação, isto é, de obstáculos e impedimentos para se estabelecer uma interação com o mundo exterior, incapacitando a pessoa de atender adequadamente às exigências do seu mundo circundante. Isto quer dizer, que as solicitações externas, sejam do ambiente escolar, profissional ou mesmo familiar, exercem um bloqueio ao seu atendimento, pelo menos, da forma como são esperadas.

A estatística nos indica que 3 a 5% das crianças em idade escolar vivem os transtornos do déficit da atenção. O TDAH é, percentualmente maior, entre os meninos.

Quando essas crianças não são compreendidas na sua dificuldade, sendo, muitas vezes, rotuladas de irresponsáveis, limitadas intelectualmente, etc., passam a assumir uma atitude de defesa contra a injustiça de que são vítimas, formulando uma idéia do mundo como um lugar inóspito e difícil de habitar. Elas “começam a ver o mundo como um lugar onde se trabalhar para se livrar daquilo que não se quer e não um lugar onde você luta para obter coisas que você deseja” (GOLDSTEIN, 1994).

Ser desatento não significa ser incapaz de aprender. Nesse caso, a dificuldade não é de aprender, no sentido de um “déficit intelectual”, mas apenas e simplesmente dificuldade de estudar. Estudar é uma atividade que precisa ser aprendida. Existe uma metodologia básica do estudo, que precisa ser ensinada ao aluno, sobretudo àqueles que são possuidores de características pessoais que não se coadunam com as exigências a que são submetidos. Se se exige rapidez na execução de determinadas tarefas intelectuais, algumas pessoas podem apresentar maior lentidão que as demais para percorrer o mesmo caminho. Isso não significa incapacidade de aprender, mas que a aprendizagem só ocorrerá quando se processar em consonância com o ritmo pessoal de quem estuda.

No caso de crianças e adolescentes com déficit de atenção – dificuldade de concentração –, com certeza, elas precisarão de uma assistência adaptada às suas características, que vai desde a adoção de uma metodologia própria à sua dificuldade como, por exemplo, o uso de instrumentos que melhorem seu nível de concentração.

Ao identificarmos um aluno com TDAH estaremos, com isso, dizendo que esse é um aluno que merece, por parte da escola e do professor, cuidados redobrados. A escola é o lugar por excelência dos que não sabem, como também dos que enfrentam obstáculos na conquista dos objetivos que a mesma escola lhes propõe.

Seremos injustos se interpretarmos a incapacidade de resposta imediata às nossas solicitações como desobediência ou deficiência definitiva.

Comumente, o comportamento desatento, como também a hiperatividade, surgem na primeira infância (período que vai até aproximadamente aos 4 anos de idade).

As evidências de que a criança começa a viver um quadro de TDAH são, em termos gerais, as seguintes:

• Dificuldade de manter a atenção em uma atividade que não seja do seu estrito interesse;
• Atitude clara de que não pára para ouvir o que se lhe está falando;
• Impaciência e alheamento no momento em que damos a ela instruções para a execução de alguma tarefa;
• Desorganização nos ambientes pessoais, inclusive, no que se refere às suas atividades lúdicas;
• Rejeição de atividades que impliquem esforço mental prolongado;
• Perda freqüente de objetos, mesmo aqueles que sejam do seu interesse pessoal;
• Esquecimento de compromissos e atividades que façam parte da sua rotina pessoal.

Esses seriam comportamentos mais característicos de crianças e adolescentes com distúrbios da atenção, mesmo que não apresentem indícios claros e marcantes de hiperatividade.
Vale aqui um esclarecimento sobre a hiperatividade. Freqüentemente as pessoas confundem uma criança “ativa” ou “muito ativa” com aquela que é hiperativa. A hiperatividade é um comportamento que se caracteriza basicamente por uma inquietação corporal persistente, um excessivo e continuado uso da comunicação verbal, como também, por dificuldades de exercer a espera em qualquer situação em que o tempo se prolongue na consecução do que deseja ou precisa.

Há outras características que compõe o quadro da hiperatividade, mas as que mencionamos são suficientes para não fazermos diagnósticos apressados, com o risco de excluir tais pessoas do grupo a que pertencem, deixando-as à margem e sem tratamento justo e adequado.

Dentre os estudos feitos sobre pessoas com transtornos da atenção e da hiperatividade, há os que apontam como causa de tais perturbações, alterações genéticas ou neurobiológicas. Essa hipótese, entretanto, não pode ser considerada isoladamente pelo fato de que ficaríamos sem uma solução à vista ou de que o tratamento seria necessariamente farmacológico. É verdade, que se têm acompanhado crianças com TDAH, utilizando-se determinadas drogas, e que apresentam alguma melhora, tanto na hiperatividade quanto na dispersão da atenção. Há, no entanto, um outro tanto de casos em que a mesma medicação não apresenta resultados significativos, ou mesmo, não produz qualquer melhora no comportamento.

Além das causas físicas que explicariam a TDAH, se tem pesquisado também a incidência de outros componentes do problema, ligados ao contexto ambiental e emocional.
Sem dúvida, essas três formas de considerar o problema indicam a sua complexidade e precisam ser examinadas com cautela.

Avaliemos, sucintamente, as causas ambientais da dispersão da atenção.

Primeiramente, precisamos analisar a situação estimuladora a que crianças e adolescentes estão sendo submetidos. A “situação estimuladora” consiste em tudo aquilo que diz respeito ao campo vital em que o indivíduo se movimenta, incluindo, desde o ambiente familiar, até os demais contextos sociais aos quais está ligado. Um ambiente que não promove a exemplificação da tranqüilidade, da clareza de decisões, de definições e do estabelecimento de limites, com certeza, acentuará a predisposição a uma atenção dispersa.

Além disso, a desorganização do espaço vital da criança, isto é, um espaço físico desorganizado e confuso, dificultará movimentos mais definidos e, conseqüentemente, provocará perturbação no processo de concentração.

Há, ainda, outro elemento que tem contribuído de forma acentuada para tornar severa a dispersão da atenção. Trata-se de uma prática cada vez mais difundida e estimulada, que é a diversificação demasiada das atividades de “aprendizagem” e “formação” a que as crianças são submetidas. Além das atividades escolares, que por si só já preenchem boa parte do tempo e exigem esforço de concentração para a sua execução, as crianças são estimuladas a participar de programas “complementares” da formação escolar, como atividades esportivas, cursos paralelos de formação artística ou de aperfeiçoamento do que se faz na escola. Não que essas atividades sejam inócuas ou prejudiciais em si mesmas. Chamamos a atenção, no entanto, para o fato de que muitas dessas crianças ficam sobrecarregadas além da sua capacidade de suportar confortavelmente a carga de exigências, e ainda são submetidas a um processo de fracionamento da atenção.

Vale a pena refletir um pouco sobre o sentido do que denominamos “fracionamento da atenção”. Na realidade, o que acontece a essas crianças é que elas são compelidas a executar tarefas sistemáticas e diversificadas numa seqüência de “liga-desliga”, isto é, são instadas a se concentrar em uma atividade e, logo, a se desligar dela para, e em seguida, se aplicar à seguinte, em um processo cansativo, que não pode ser interrompido por conta da imposição dos compromissos assumidos, em geral, pelos pais e, nem sempre, pelas próprias crianças.

Além desse “fracionamento” imposto, vemos também outro tipo de “fracionamento da atenção” de ação voluntária da criança, que tem a ver com suas expectativas de lazer. Vivemos um momento de nossa sociedade em que crianças e adolescentes são pressionados por estimulações de “escolha” de atividades que lhes dêem prazer. Desse modo, eles se vêem compelidos a usar, o máximo possível, as oportunidades e alternativas oferecidas, o que os lançam numa corrida desabalada para aproveitar uma parte do tudo que lhes é oferecido.
Crianças e adolescentes – e até adultos – com uma predisposição à dispersão, quando solicitadas por essas estimulações insistentes, terminam por mergulhar no mundo da dispersão da atenção, que se refletirá de forma danosa nas atividades em que a concentração é imprescindível, como, por exemplo, o estudo escolar.

Um pouco mais complexa do que a interferência das causas ambientais externas, são as conseqüências da conturbação emocional que atinge a toda e qualquer criança e que tem uma resultante específica nos indivíduos predispostos à dispersão da atenção.

Sabemos dos efeitos prejudiciais na formação do indivíduo, quando não são bem estruturadas as relações de apego afetivo com as figuras parentais. Quando, no desenvolvimento da criança, não se constrói uma relação interpessoal afetiva consistente, instalam-se interrogações sobre sua caminhada de crescimento. Os medos, agravados pelas agressões e negações do ambiente externo, deixam-na à mercê das suas fantasias e dos vazios existenciais que a invadem.

Mais grave, ainda, se torna a situação da criança e mais fragilizada ela se sente, quando as figuras parentais não conseguem expressar ou manifestar de uma forma clara e verdadeira os afetos que têm por ela. As pessoas e, com mais razão, os menores – crianças e adolescentes – precisam não só de se certificar de que são amados, mas também, sobretudo, perceber nos que as amam a manifestação desse amor. Amor sem manifestação é uma fantasia que não tem em si a qualidade de se tornar realidade. E a fantasia está apenas a meio caminho a realidade.

Há, no entanto, indivíduos que nem sequer supõem o amor das figuras parentais. Vivem e sofrem a verdade cruel da rejeição afetiva.

Compartilhe:
  • googleplus
  • linkedin
  • tumblr
  • rss
  • pinterest
  • mail

Publicado por Libertas

59 comentários

  • Gisele Rodrigues Paes Athu disse:

    Por favor, gostaria de saber mais sobre o assunto, pois muito me interessa, pois tenho uma filha com características de dispersão da atenção. Preciso entender melhor para ajudá-la.
    Grata,
    Gisele

  • Tálita Junqueira disse:

    Olá..gostaria de saber mais sobre dificuldade de concentração, minha filha tem esse problema de dispersão de atenção, tudo que pedimos pra ela fazer ela não faz na hora..é lenta nas atividades escolares, e estamos sendo chamados na escola, que pode correr o risco de repetir o ano..ela tem 4 anos..obrigada

  • adjenalva silvestre da cruz disse:

    A monografia de conclusão do meu curso de pedagogia tem como tema dispersão de alunos em sala de aula. gostaria de saber mais sobre o assunto. já adquirie o seu livro como melhorar a concentração da atenção que aliás me ajudou muito. estou aguardando anciosamente.

  • Otto Stupakoff disse:

    Caro Luiz
    De uma olhada no meu nome no Google.
    Acabei de escrever-lhe mas, perdi o total
    do que escrevi sobre o mal conhecido TDAR
    e, me ofereci caso necessite conversar com
    quem residiu e, durante 44 anos fez parte dos
    dos 75% daqueles que os medicos nos EUA
    nao conseguem diagnosticar. Sinta-se a
    vontade de me dizer se posso ser-lhe util.
    Nao necessito de consulta – essa e por minha
    conta.
    Abraco
    Otto
    011 31-67.51.44

  • Rozani disse:

    Gostaria de saber se uma criança que tem paciência de assistir desenho animado por mais de 2 hs., jogar no computador.Pode ser considerada uma aluna com dispersão da atenção?
    Obrigada.

  • Edna disse:

    Gostaia de saber onde encontro lugar específico em Recife para levar minha filha e meu sobrinho para ver se eles são portadores desse transtorno?

  • Ana Lucia Pereira disse:

    tenho uma filha de 8 anos e é assim desatenta na escola não preste atenção na aula, e quando faz teste ou prova tem dificuldades de responder alguns trabalhos enuciados.

  • ISABEL GOMES disse:

    ME AJUDE MINHA FILHA REPROVOU ANO PASSADO E ESTE ANO ESTA COM AS NOTAS BAIXAS ELA NAO CONSEGUE SE CONCENTRAR GOSTARIA DE SABER SE DISPERSAO É UMA DOENÇA.

  • BENEDITA disse:

    ONTEM RECEBI UM BILHETE DO DIRETOR CHAMANDO MINHA ATENÇÃO PELA DISPERSÃO EM SALA DO MEU FILHO. QUE CULPA TENHO EU? NÃO É A PROFESSORA QUE DEVE TRAZÊ~LO À REALIDADE? EM CASA EU FAÇO DE TUDO PARA PROCESSAR ESSA CONSONÂNCIA DE RÍTMOS. ME ORIENTEM. OBRIGADA.

  • vanessa disse:

    Tenho um filho de 8 anos que apresenta estes sintomas gostaria de saber mais, e se tem alguma atividade que eu possa fazer com ele.

  • william disse:

    Tenho um filho de 19 anos e ele sempre teve estas caracteristicas do TDAH, conseguiu completar o ensino médio com muita dificuldade, e sempre teve o todo tempo livre para estudar. Hoje tenho muito problemas com seu comportamento, não tem objetivos, não cumpre os compromissos, não obedece as regras, esquece os compromissos.

    Como posso ajuda-lo?
    Como posso saber se ele tem ou teve TDAH?
    Onde encontro tratamento?

    Desde já agradeço.
    William

  • Geiza Rodrigues disse:

    Boa tarde, tenho uma filha de 9 anos, sempre em todas as reuniões escolares, a falta de atenção da minha filha foi a queixa principal das professoras, hoje, esse nível está pior, achava que era pelo aumento da complexidade, das atividades, mas venho observando que nas atividades em casa, como arrumar o quarto, organizar os brinquedos, se arrumar para sairmos…, ela está se comportando dessa forma. Sempre tentei conversar com ela para que tentasse se concentrar nas aulas não conversasse etc. porém isso gerou um outro problema também relatado pela professora, ela estava se isolando, não queria nem mesmo realizar atividades em grupo. Entre outros comportamentos. Resolvi pesquisar sobre este comportamento, e até então não sabia da existencia desse transtorno. Qual procedimento devo tomar?

  • Simone disse:

    Leia com atenção e importante.

  • rafael disse:

    por favor qual o melhor caminho para curar tdah, tenho 31 anos e minha vida esta se arruinando por causa disso !!

  • valdete gomes de lima disse:

    tenho uma criança de 11 anos com um problema muito sério dispersão de atençao procuro ajuda de como lhe dá com ela,ao ler este texto axei que se encaixa direitinho com ela, quero ajudar minha filha a superar isto.

  • vanssa disse:

    Boa tarde tenho um filho de 7 anos aparenta normal mas é extemamete inquieto ,nao consegue aprender , tem dificuldade de se relacionar com outras crianças, mas a minha maior preocupação é que ele nao consegue aprender nada. Ja toma o CONCERTA e nao vejo muito resultado.

  • Sarah Roberta disse:

    Achei esse artigo super interessante. Não sou adolescente, mas me enquadro nessas caracterísitcas de alguém que sofre as dificuldades pela TDAH. Com a leitura desse texto encontrei várias respostas para várias situações com as quais já vivenciei e ainda vivencio. Preciso de ajuda.
    Aguardo um retorno para mais explicações.
    Um abraço,
    Sarah

  • vanessa lopes disse:

    olá boa tarde tem um filho de 5 anos e tem a dispersão o que posso ta fazendo para ajuda-lo?

  • Ariana Dias disse:

    ONTEM RECEBI UM BILHETE DO DIRETOR CHAMANDO MINHA ATENÇÃO PELA DISPERSÃO EM SALA DO MEU FILHO. QUE CULPA TENHO EU? NÃO É A PROFESSORA QUE DEVE TRAZÊ~LO À REALIDADE? EM CASA EU FAÇO DE TUDO PARA PROCESSAR ESSA CONSONÂNCIA DE RÍTMOS. ME ORIENTEM. OBRIGADA.

  • solange disse:

    Olá,
    acredito ter TDAH, sempre fui dispersa, muito esquecida e inconstante. Já tenho 38 anos, e tenho sofrido e causado sofrimento a familiares. Me sinto improdutiva, não consegui concluir os estudos, nem como dona de casa consigo ser eficiente. Por favor entrem em contato!!

  • marisa do prado disse:

    OLÁ! MEU FILHO TEM 09 ANOS E FARÁ EM SETEMBRO 10 ANOS , ELE ESTA NO 5 ANO E DESDE QUE FOI PARA O PRE E AUTOMATICAMENTE JA ENTROU NO 2 ANO ELE TEM MUITA DIFICULDADE, NÃO ACOMPAMHA A MATERIA. EU ME PERGUNTO PELA IDADE ELE NÃO DEVERIA ESTAR NO 4 ANO POIS ENTRAVAMOS NA ESCOLA COM 7 ANOS NA 1 SERIE. ELE NAO COPIA RAPIDO COMO OUTRAS CRIANÇAS E DIZ QUE NAO AGUENTA A ESCOLA , SUA PROFESSORA DIZ QUE ELE É MUITO LENTO, MAS QUANDO EU ENSINO A MATERIA EM CASA ELE ENTENDE TUDO. DEVERIA FAZELO REPETIR UM ANO?

  • Francisca Chaves disse:

    Boa tarde, não sei mais a quem ou a que recorrer, meu filho tem 10 anos e desde os 5, temos ido a varios profissionais em busca de ajuda. Pois ele é muito lento, sempre fica com matérias atrasadas, e neste ano de 2013 tenho a impressão que piorou. Quando ele interessa é capaz de realizar bem as tarefas. Escreve faltando letras e quando peço a ele que leia o que escreveu, ele é capaz de perceber o erro. Por favor me ajudem.

  • Joseane Gerbasi Mascioli Valença disse:

    Tenho uma filha de quase 5 anos e estou preocupada porque a professora tem me falado que ela é muito dispersa. Na sala dela tem crianças de 5 e 6 anos e a Júlia já conhece as letras escreve-as,porém é muito dispersa para fazer a lição. A professora me disse que se tem alguém do lado dela ,orientando-a ela faz tudo, caso contrário demora e não gosta de fazer cópias das letrinhas repetidas vezes. Eu percebo que ela é inteligente mas ando aborrecida com o comportamento dela. Não acho ela superativa.Ela é normal como toda criança que gosta de brincar. Peço ajuda sobre o que eu poderia estar fazendo em casa para ajudá-la.Sobre o texto lido penso que ela é desorganizada. Joseane

  • Zeli alves da silva enes disse:

    Tenho uma filha de 5 anos e desde o ano passado tenho reparado a ateçao dela para os aprendizado escolar meio disperso, mas até então a professora mandou observar e esperar ja que cada criança tem o seu tempo. Mas agora ja está realmente mostrando a falta de aprendizagem dela, ela é muito esperta e inteligente, mas reparo que na escrita ela é meio preguiçosa, mas decora uma história como nunca. Gostaria de idéias para que eu possa ajudar ela, sem interferir no ambiente escolar dela, para ela nao se sentir muito diferente dos outros amigos.

  • Fernanda dutra disse:

    Boa noite
    Tenho um filho de 8 anos, que aparentemente é uma criança normal, só que é extremamente lento nos afazeres de casa e deveres de escola um jogo de videogames é esperto, faz atividades físicas com perfeição, mas na escola, horários , tomar um banho, e muito lento e esquecido, Oque devo fazer? Isso é normal? Será que devo ser mais rude ? Oque faço?
    Desde já agradeço

  • CLEUMA DE SOUSA disse:

    Boa Tarde
    tenho um filho de 12 anos que tem dificuldades em ler, ele conhece as letra mas não consegue formar frase,ja levei em varios medicos inclusive na APAI,na USP, ja fez varios exames e nada, ele e esperto, mas e muito ansioso e por isso está acima do peso.peço que se alguem souber de algum lugar que eu possa levar ele eu agradeço muito, porque o tempo vai passando e ele não consegue acompanhar as crianças na escola e muito triste, as vezes ele fala que e burro que não consegue ler, pra mim tambem e muito triste pois quero ajudar mas não consigo.
    desde já agradeço

  • vanessa santos silva disse:

    gostaria de saber mais sobre o assunto, pois tenho uma filha de 8 anos e ela e devagar pra fazer tudo tanto na escola como em casa, tudo que pedimos pra ela fazer ela nao faz na hora parece que vive em outro mundo, mas porem muito inteligente tem otimas notas mas ate o relatorio dela da escola diz que ela e vagarosa, obrigado.

  • Rosiane Borges Pereira disse:

    OI BOA TARDE
    tenho um filho de 10 anos,este ano na escola ele tem ficado muito lento nas atividade, muitas das vezes não copia a tarefa toda,ele super inteligente, mais tô ficando muito preocupada , a tia fala que tudo que os amiguinhos faz na sala tira á atenção dele.Ele é uma criança normal, gosta muito de jogar videogames, computador, tudo dele é pra depois, o que faço…Fico grata por sua resposta.

  • Maria de Fatima campos Vieira disse:

    Gostei muito do texto acima.
    Tenho um filho de 12 anos com muita dificuldades para concentrar em leitura e escrita.
    Como orienta-lo ? Que metologolia usar?

  • celso de melo disse:

    DESATENÇOADO, bem quê podia ser uma pessoa sem atenção de outras pessoas

  • vasti s. mota disse:

    Bom dia,preciso de dicas,jogos ou atividades que prenda atenção ou trabalhe isso.Grata aguardo retorno por e-mail.

  • Débora Cristina disse:

    Bom dia, tenho uma sobrinha de 7 anos, que está na 2° série, e não consegue aprender nada, nem no balé ela está aprendendo mesmo mostrando como tem que fazer ela não faz, a professora disse que ela está atrasada referente aos outros alunos, sem contar que ela repete tudo o que os outros falam, e quando tenta falar algo que vem da cabeça dela, ela não consegue terminar de falar e nem ao menos explicar o que quer dizer tal coisa, fico sem saber o que fazer ou que tipo de especialista eu realmente devo procurar. e você puder me ajudar ficarei muito grata.

  • Danielle disse:

    Minha filha Isabella fez 04 anos em abril de 2013. Desde seus 1 ano e 10 meses ela frequenta a escola tendo iniciado seus estudos no maternal. Ela é uma criança extremamente esperta, desinibida e inquieta. Ela é organizada, sempre quer ajudar a tia a organizar os materiais na sala de aula, tem cuidado com seus pertences e gosta de fazer os trabalhinhos de casa com seu irmãozinho que tem 6 anos, e é aluno exemplar. Porém ela só quer copiar ou desenhar. Não responde nada que a gente pergunta, a mesma coisa está acontecendo na escola. A tia veio falar comigo que ela copia bem, mas não identifica nenhuma letra quando é perguntada. Tenho me dedicado mais e mais na alfabetização dela, trazendo para ela brincadeiras, tinturas enfim, fiquei numa manhã só ensinando a vogal “a”, porém no final da manhã ela não soube me responder. Pode ser déficit de atenção? Desde já obrigada pela atenção.

  • Marilsa disse:

    Por favor, gostaria de saber mais sobre o assunto, pois o meu filho tem todos os sintomas descritos acima. Ele já está com 14 anos, e agora descobri que quando ele fica em silêncio parecendo estar preocupado com algo, não é este o motivo, ele me confessou que estava pensando em algo como desenhos animados p/ adolescentes, fantasiando… viajando… ou vivendo num mundo de mangás.
    Estou muito preocupada como trazê-lo para a realidade, não aquela realidade nua e crua, mas a realidade natural da vida, pois vejo esta ausência da consciência da realidade atrapalha, nos estudos, na vida social, etc.

  • Lilian Dos Santos disse:

    OLA MEU FILHO TEM 7 ANOS E DESDE OS 5 ANOS SOU CHAMADA NA ESCOLA PORQUE AS PROFESSORAS DIZEM QUE ELE TEM DIFICULDADE DE APRENDER É LENTO PARA EXECUTAR AS LIÇÔES QUE É PROPOSTO EM SALA, MAIS EM CASA ELE ASSISTE DESENHOS POR MAIS DE 2 HORAS ,COLOCA SEUS DVD´S E VIDEOGAME SOZINHO E TEM PACIÊNCIA PARA JOGAR ,CONVERSA BASTANTE COM AS PESSOAS E NÃO É UMA PESSOA TÍMIDA, ELE PODE SER CONSIDERADO HIPERATIVO OU AS PROFESSORAS NÃO ESTÃO CONSEGUINDO IDENTIFICAR QUAL É O REAL PROBLEMA QUE ELE TEM E DIZ QUE ELE É UMA CRIANÇA HIPERATIVA SÓ PORQUR NÃO SABE EXPLICAR O QUE ELE REALMENTE É, EU PERCEBO EM CASA NAS LIÇÊS QUE ELE FAZ QUE ELE TEM DIFICULDADE PARA FAZER, GOSTARIA DE SABER COMO LIDAR COM ELE, ÁS VEZES ATÉ SOU UM POUCO AGRESSIVA(com as palavras)EM RELAÇÃO A ELE,POIS FICO PENSANDO COMO UMA CRIANÇA QUE LIGA UM DVD OU VIDEOGAME PODE TER TODO ESSE PROBLEMA DE APRENDIZADO NA ESCOLA,ME AJUDEM ,JÁ NÃO SEI MAIS O QUE FAZER

  • cecilia disse:

    ola me chamo cecilia tenho uma filha de 6 anos e sempre sou chamada na escola pela falta de atençao dela ela nao consegue aprender a ler

  • Maria Silvania Furtado disse:

    OI BOA TARDE
    tenho um filho de 6 anos,este ano na escola tenho recebido muito reclamação dele , muitas das vezes não copia a tarefa toda,ele super inteligente, mais tô ficando muito preocupada , a tia fala que tudo que os amiguinhos faz na sala tira á atenção dele.Ele é uma criança normal, gosta muito de jogar videogames, computador, tudo dele é pra depois, o que faço…Fico grata por sua resposta.
    Por favor me ajude, ois não sei como lidar,se deixo de cartigo ou retiro algumas mordomias

  • Adriana disse:

    TENHO UM FILHO DE 7 ANOS E ALGUNS MESES TENHO TIDO ALGUMAS RECLAMAÇÕES, ELE NÃO É AGRESSIVO MAIS NÃO GOSTA DE FAZER NADA EM SALA DE AULA, DEIXANDO A PROFESSORA PREOCUPADA, JA FUI CHAMANDA A ESCOLA 3 A 4 EM APENAS UM MES… DEVO LEVA-LO A UM PSICOLOGO?

  • Fernanda Maria Cardoso disse:

    meu filho tem sete anos, se encontra no 2 ano DIZEM QUE ELE TEM DIFICULDADE DE APRENDER É LENTO PARA EXECUTAR AS LIÇÔES QUE É PROPOSTO EM SALA, MAIS EM CASA ELE ASSISTE DESENHOS POR MAIS DE 2 HORAS ,COLOCA SEUS DVD´S E VIDEOGAME SOZINHO E TEM PACIÊNCIA PARA JOGAR ,CONVERSA BASTANTE COM AS PESSOAS E NÃO É UMA PESSOA TÍMIDA, ELE PODE SER CONSIDERADO HIPERATIVO OU AS PROFESSORAS NÃO ESTÃO CONSEGUINDO IDENTIFICAR QUAL É O REAL PROBLEMA QUE ELE TEM E DIZ QUE ELE É UMA CRIANÇA HIPERATIVA SÓ PORQUR NÃO SABE EXPLICAR O QUE ELE REALMENTE É, EU PERCEBO EM CASA NAS LIÇÊS QUE ELE FAZ QUE ELE TEM DIFICULDADE PARA FAZER, GOSTARIA DE SABER COMO LIDAR COM ELE, ÁS VEZES ATÉ SOU UM POUCO AGRESSIVA(com as palavras)EM RELAÇÃO A ELE,POIS FICO PENSANDO COMO UMA CRIANÇA QUE LIGA UM DVD OU VIDEOGAME PODE TER TODO ESSE PROBLEMA DE APRENDIZADO NA ESCOLA,ME AJUDEM ,JÁ NÃO SEI MAIS O QUE FAZER

  • vandilca ferreira de freitas pinheiro disse:

    meu filho tem 11 anos ,sempre as professoras mim falou que ele é super inteligente, mas o que prejudica é somente a concentração dele, levanta varias veses, faz rápido as tarefas (provas ) e termina se prejudicando até ano passado 2012 elas mandava ele refazer a prova porque sabia que ele era capas de fazer melhor mas esse ano 2013 é com os fiscais então ele entrega logo e muitas vezes tira notas baixas, no reforço eles elogiam só a questão de se levantar varias vezes para ir ao banheiro ou beber agua o que devo fazer??

  • ROSIMAR disse:

    Meu filho Ian fez 03 anos em março de 2013. Começou a frequentar a escola tendo iniciando seus estudos no maternal. Ele é uma criança extremamente ativa, desinibida e inquieta. A aproximadamente duas semanas comecei a fazer testes com ele, procurando o nome do pai, da mãe, da madrinha e assim sucessivamente,enfim, nomes de pessoas próximas, como ele não sabia responder eu os falava, em seguida perguntava novamente e ele não conseguia responder, era como se esquecesse rapidamente, ou então trocava o nome quando perguntava o nome da mãe ele respondia o do pai, e assim foi até o atual momento, sendo assim comecei a me preocupar se poderia ser algum distúrbio, esse esquecimento ou mesmo um déficit de atenção? Desde já obrigada pela atenção.

  • josiane ferreira de souza disse:

    Bom dia.
    Meu filho está com 11 anos e estou tendo problemas com ele no colégio desde o inicio das aulas, a professora disse que ele anda aéreo na sala de aula não era assim, estou sendo chamada com frenquencia na escola já estou ficando preocupada. Por outro lado ele tb não gosta da professora. Em casa é lerdo para as coisas importantes e rápido no que interessa a ele, é super inteligente para coisas que nem estuda tipo um desenhista e tanto, adora tudo que liga o lado de humor gosta de fazer graças para os outros, coloca piada em tudo, a ultima agora ele me pediu para coloca-lo em um teatro coloquei achei que isso poderia o ajudar mas continua na mesma no colégio. Tanto que o pai ta brigando comigo que eu não tenho que coloca-lo em lugar nenhum se não quer saber de estudar. Nao concordo , mas tb não sei o que fazer e se ele está certo e eu errada. Muita grata se puderem me ajudarem.

  • Edineia Anjos disse:

    OLA ,MINHA FILHA TEM 7 ANOS, DESDE DA PRÉ ESCOLA SOU SEMPRE CHAMADA, POR QUE ELA NÃO PRESTAR ATENÇÃO NAS AULAS E FICA INQUIETA ,E AGORA ELA ESTA NA 2 SERIE E COM MUITAS DIFICULDADES , NÃO SABER LER AINDA, A PROFESSORA DISSE QUE ELA E MUITO LENTA E ESTA COM RENDIMENTO BAIXO AGENTE ENSINA ELA UMA COISA POR EX: A LIÇÃO DE CASA . PASSANDO ALGUNS SEGUNDO ELA JÁ ESQUECEU ,E NÃO GOSTA DE SER CORRIGIDA ELA DIZ QUE JÁ SABE E FICA MUITO IRRITADA E SEMPRE CHORA. ELA NÃO FOCA , QUALQUER COISA TIRA SUA ATENÇÃO ELA E EXTREMAMENTE DISPERSA. O QUE POSSO FAZER PARA AJUDA-LA OU QUE MEDICO DEVO PROCURAR ?

  • tatiane disse:

    bom, meu filho tem nove anos e tava lendo essa matéria e vi que ele tem alguns desses sintomas , por ex:é desatento nas aulas e por isso só leva vermelho nas notas, corre demais na hora do recreio, não aceita reprenções dos inspetores quando fala com ele,e acha que sempre esta certo, por mas as professoras acham que ele é capaz de fazer sim as atividades em classe mas falta interesse dele por não achar importante, por isso sou chamada direto na escola pra falar sobre ele,estou preocupada pois já conversei dei castigos mas não esta adiantando.mas quando se trata de futebol que ele gosta muito não da trabalho , por favor ajude-me será que é o caso de procurar um medico mas qual?

  • cibele kommers disse:

    meu filho tem falta de concentração no colégio,se desliga facilmente,paresse que sempre ta no mundo da lua.isso ta prejudigando seus estudos por que esta no 5 ano.por favor me ajudem,não sei mais o que fazer.

  • lilliane melo disse:

    Olá! o meu filho está com essas característica, e hoje a professora disse que ele vai perder de ano poi ele está muito desatento na sala de aula , e copia as atividade lentamente as vezes ele é o ultimo a terminar as atividade de aula,ele nuca está errado e só os outros e ele só tem 9 anos eu peço ajuda de como eu posso ajudar o meu filho.obrigada dez de já!!

  • sueli da conceição santana disse:

    Bom dia! tenho um filho de 8 anos e estou tendo os mesmos problemas citados acima com a diferença que ele não e uma criança ativa. Na sala de aula fica muito desatento, mais permanece no lugar dele e não c comunica com a professora nem para reclamar c outra criança quebrar, destruir os objetos dele ou ate mesmo bater nele. O pensamento dele voa, nestes momentos ele risca ou desenha no caderno que e a maior bagunça, mais as notas não são muito ruins. Tenho muitas reclamações da professora que diz não saber mais o que fazer, ajudo muito ele em casa nos estudos,mais as vezes perco a paciencia e coloco de castigo. fico com medo de ao inves de ajudar eu atrapalhar pois tirando isto ele não merece castigo e um menino muito bom. Em casa tambem e desatento e esquece o que eu peço para fazer assim que fecho a boca.
    Por favor me ajudem a ajuda meu filho.
    obrigada.

  • Gislaine disse:

    Olá, tenho um filho de 10 anos e desde q entrou na escola vem dando problemas com dificuldade em concentração, este ano ele piorou muito, sempre é o ultimo a terminar as atividades e na maioria das vezes nem consegue copiar, escreve as palavras faltando letras e pra fazer tarefa demora o dia todo… ele está no 4º ano e a professora faz de tudo pra ajudá-lo. Não sei mais o que fazer! Quem devo procurar?
    Obrigada.

  • Fabiane critina disse:

    Tenho um filho de 5 anos que esta fazendo o infantil 2 e desde o maternal as professoras me falam da falta de atenção dele. A professora atual me fala que ele fica viajando suas palavras não sei como proceder preciso de ajuda para poder ajudar meu filho enquanto e tempo. Obrigado!

  • welem silva disse:

    ola eu tenho uma filha que nao para pra ver tv é inquieta eu a cabo de falar que ela nao pode fazer certas coisa mas ela nem ai ela até que tenta nao fazer mas eu nao sei oque a contece mesmo assim ela faz ela quer ver tv ao mesmo tempó brinca quer mexer eu falo com ela ela nao quer me obcer ela tem dificudades pra falar mas eu que intendo o que ela fala pra estudar entao ela nem si emporta cm nada ela que pq quer um brinquedo quando ela tem ela deixa de lado a´te pra dormi ela é dificio ela tem 4 anos eu nao sei oque devo fazer pra a judar ela meu deus eu ja nao aguento mas falar esplicar ela se emteressa por coisas que nao é pra ela aprender poxa queria se fosse pocivel vcs me ajudarem pra mim poder a judar ela ela é td na minha vida eu choro pq eu nao sei nem oque fazer ela é de mas quando ela quer uma coisa ela nao quer esperar ela é toda ingenoar tenho a té medo de deixa ela cm alguem pra mim trabalhar pq eu falo pra ela eu cmversso com ela e entra por aqui e sai por ali ela é meiga é prestativa mas nao sei oque a contece obrigado fiquem com deus se vcs poderem mi ajudar ficarei mt agradecida e que deus abençoe vcs

  • Agostinho disse:

    Tenho um filho de 21 anos e ele sempre teve estas caracteristicas do TDAH, conseguiu completar o ensino médio com muita dificuldade, e sempre teve tempo livre para estudar. Hoje , não tem objetivos, não cumpre os compromissos, esquece os compromissos, está no ensino Universitáro no 2º ano e não consegue ter notas positivas. Ele estuda e quer tirar boas notas mas não consegue. O que posso fazer para o ajudar?

  • Glaucia Ferreira Santner disse:

    …… meu filho tem 12anos. Desde o início da escola as pofessoras diziam que o Arthur era disperso as aulas, não conseguindo acompanhar as tarefas.. No 4°ano descobri atraves de exames que meu filho sofria de convulsões.. Depakene foi o medicamento para tratamento, causando depressão e obeso para a sua idade. Ritalina foi a continuação de um tratamento com um diagnóstico que realmente nunca aceitei. Meu filho é extremamente inteligente. Tem suas limitações na escrita. Resolvi então, aprender a escutar meu filho mesmo no seu silêncio e confesso que tem dado certo.. é um caminho mais longo porém tem me ensinado a entende-lo. Hoje ele está sob medicamento homeopata, confesso que fui contra muitos diagnósticos, médicos que nunca olharam o meu filho sendo o Arthur, outra criança, situação.. e sim sempre como mais um. Ainda tem sua dificuldade de acompanhar na escrita, mais sabe que é capaz de tudo o que almeja nessa vida porque isso eu afirmo a ele todos os dias.. até mesmo pq ele é capaz.. ele tem feito natação, e a um ano Kung Fu, a pedido do mesmo.. depois de reuniões, e muitas alterações com a escola entenderam que cada criança é uma criança, que no caso do meu a situação é outra.. hoje a escola vem se adaptando para ajudar tantas crianças na mesma situação. . ele tbém tem feito fono, depois de ter sido avaliado pela neuropsicologa mais a neuropediatra.. Eu quero dizer que devemos escutar nossos filhos, mesmo respeitando a medicina, porém tendo o bom censo de avaliar certas decisões.. eu particularmente busquei várias opiniões e cheguei a conclusão de que a maior parte desses profissionais também tem suas dúvidas.. mais não desista NUNCA de seu filho, ele precisa todos os dias de você e vc tbém dele..

  • Viviane Silva disse:

    Boa Tarde, meu filho tem 11 anos e tem todas as características enunciadas, esta no 7º ano e sinto muita dificuldade em ajuda-lo, hoje conversei muito com ele e me disse que não consegue prestar atenção nos professores então passa a conversar, em toda reunião de pais e mestres a reclamação é a mesma. Faço de tudo pra ele ter ambiente de estudos, porem o desinteresse é total. Quando vou ajuda-lo com as tarefas e ele demonstra desconhecer o assunto totalmente perco a paciencia, não sei m,ais o que fazer, estou pedindo socorro, preciso de um metodo para ajuda-lo.

  • Eudna Souza disse:

    Boa noite, meu filho de 06 anos está no 1° ano e hoje a professora me falou que ele é o ultimo a terminar as tarefas e tudo tira a atenção dele em sala de aula, (lento), em casa ele os meus olhos e normal, mas na hora de fazer tarefa aparece de tudo sede, dor nas mãos, quer fazer xixi, ta com fome, enrola o que pode so acelera quando ameaço sinto, ai faz rapido e bem feito, pois algumas tarefas ele ja sabe fazer. quero saber como faço para lidar com essa situação, pois quero muito e que ele acompanhe os demais colegas da classe.

  • ELIANE DE CASSIA FERREIRA SANTOS disse:

    olá,boa tarde eu tenho dois filhos gêmeos de 7 anos eles estão na 2 serie eles são muito iper inteligentes desde 4 anos que já ler tudo e são alfabetizados desde os 5 anos . eles são muito inquietos não calam pra nada e este ano está com uma preguiça de escrever e estão muito dispersos tudo tira a atenção eles.eles estão fazendo aulas de violão e flauta doce coloquei eles pra ver se evito mias tv e computador pois achei que estava atrapalhando, estou sem saber qual o procedimento faço com eles pois eles nunca foram assim hoje mesmo a professora me chamou pra falar que eles estão com preguiça e disperso .

  • simone santos evangelista disse:

    olá boa tarde eu tenho um filho de 8 anos ele esta no 3º ano é super esperto e inteligente as notas dele tem sido ótimas,mas porem é muito agitado seu comportamento em sala de aula tem me deixado preocupada ele fala demais no meio da aula atrapalhando a professora seus amigos e a si próprio, converso muito com ele e ele me diz que não consegue fica calado ou quieto mas que ele tenta não sei o que fazer preciso de ajuda

  • Iara Gomes disse:

    Boa Noite,
    Minha filha de 7 anos nao consegue se concentrar na escola,nao iper ativa,a professoura diz que ela pode ter problemas,contratei uma professora ela me disse que nao ve problemas pois ela cuida do seu caderno,tem uma letra llinda,a pediatra disse que nao ve problemas, …..
    ela ta na segunda serie e tem dificldade de ler e conentracao….a professora dia que ela pode ter problemas,
    Moravamos em uruguaiana e la na escola o ensino era diferente, com poligrafos e em novembro fomo transferido e nessa escola e do quadro para o caderno,e agora na segunda seria pegou a mesmo professora,estou pensando ate em pedir pra troca-la de sala de aula,pegar outro professoura…meu marido ajuda bsatante nas tarefas de escola….nao sei mais o que fzer

  • Paulo de Almeida disse:

    Tenho um filho de 5anos e ano que vem inicia o ensino fundamental e foi (pela pedagoga da escola) como tendo déficit de atenção (não presta atenção no que a professora fala, etc …minha duvida e como ele tem déficit de atenção se ele consegue focar horas no computados … ele esta indo na TO e o que ela forca nele e a disciplina…e quanto mais ela forca mais ele quer contesta-la…talvez seja o caso de uma psicóloga ou psico pedagoga…

    • Libertas disse:

      Uma psicopedagóga e/ou psicóloga clínica podem ajudar neste processo com seu filho Paulo. Muito bom ele ter iniciado tratamento com uma terapeuta ocupacional, porém integrado com a psicologia, pode-se ter um desempenho mais profundo e favorável, trabalhando questões internas dele, junto a família. Este é um caminho. Quando se fala no computador, mostra que existe um caminho para a aprendizagem, pela curiosidade e pelo conhecimento, precisamos encontrar outros caminhos além deste. Mas, está indo bem. Boa sorte! Abraços, Equipe Libertas

  • Deixe um comentário

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>